viernes, 8 de enero de 2010

Moço, cuidado com ela!

Moço, cuidado com ela!

Há que se ter cautela com esta gente que menstrua...

Imagine uma cachoeira às avessas:

Cada ato que faz, o corpo confessa.

Cuidado, moço

Às vezes parece erva, parece hera

Cuidado com essa gente que gera

Essa gente que se metamorfoseia

Metade legível, metade sereia.

Barriga cresce, explode humanidades

E ainda volta pro lugar que é o mesmo lugar

Mas é outro lugar, aí é que está:

Cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita..

Sua boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente

Que vai cair no mesmo planeta panela.

Cuidado com cada letra que manda pra ela!

Tá acostumada a viver por dentro,

Transforma fato em elemento

A tudo refoga, ferve, frita

Ainda sangra tudo no próximo mês.

Cuidado moço, quando cê pensa que escapou

É que chegou a sua vez!

Porque sou muito sua amiga

É que tô falando na "vera"

Conheço cada uma, além de ser uma delas.

Você que saiu da fresta dela

Delicada força quando voltar a ela.

Não vá sem ser convidado

Ou sem os devidos cortejos...

Às vezes pela ponte de um beijo

Já se alcança a "cidade secreta"

A atlântida perdida.

Outras vezes várias metidas e mais se afasta dela.

Cuidado, moço, por você ter uma cobra entre as pernas

Cai na condição de ser displicente

Diante da própria serpente

Ela é uma cobra de avental

Não despreze a meditação doméstica

É da poeira do cotidiano

Que a mulher extrai filosofando

Cozinhando, costurando e você chega com mão no bolso

Julgando a arte do almoço: eca!...

Você que não sabe onde está sua cueca?

Ah, meu cão desejado

Tão preocupado em rosnar, ladrar e latir

Então esquece de morder devagar

Esquece de saber curtir, dividir.

E aí quando quer agredir

Chama de vaca e galinha.

São duas dignas vizinhas do mundo daqui!

O que você tem pra falar de vaca?

O que você tem eu vou dizer e não se queixe:

Vaca é sua mãe. de leite.

Vaca e galinha...

Ora, não ofende. enaltece, elogia:

Comparando rainha com rainha

Óvulo, ovo e leite

Pensando que está agredindo

Que tá falando palavrão imundo.

Tá, não, homem.

Tá citando o princípio do mundo!


(ELISA LUCINDA)



1 comentario:

  1. Lindo!!
    ainda não conhecia...
    obrigado pelo comentario do blog...
    nem sabia que seguia ele...
    tenho postado com pouca frequencia,
    mas prometo uma oversdose, ainda este mes!
    beijos!

    ResponderEliminar