martes, 13 de octubre de 2009

Minha negra cor...

Corre de minha pele uma cor forte...

Uma cor que carrega consigo a história

Da opressão e da resistência


Corre de minha pele uma cor bonita...

Uma cor que carrega misturas de uma gente

Do desejo e originalidade


Corre de minha pele uma cor-suor...

Uma cor que transpira o samba

Da volúpia e sensualidade


Corre em mim ainda uma mistura de cores

O vermelho nos meus lábios grossos...

O negro nos meus olhos castanhos...

O sangue lilás nas minhas fortes veias...

O branco nos rijos dentes...


Corre de minha pele o calor

O calor de um povo forte

Que dança maculelê e capoeira


Corre de minha pele a identidade

Da mulher negra

Proletária.


Ângela Pereira.

13 de outubro de 2009.

3 comentarios:

  1. Open my hands and watch the sunrise of friendship and love and see my face which is full of freshness of your face …

    ResponderEliminar
  2. Linda poesia Ângela, parabéns pelo talento e inspiração. Arnoldo

    ResponderEliminar