lunes, 7 de marzo de 2011

Processo.

Acontece que Maria, em processo, acordava dos tempos antigos. Penteava-se não como antes. Despia-se não como antes. Vestia-se não como antes. Sonhava não como antes. Amava não como antes.

Maria já não era como antes. Isso decorria de um acúmulo de experiências vividas e não vividas que aos poucos foi lhe tirando do alto das casas de árvores e colocando-a em terra seca e batida. O desencantamento tirava-lhe a ingenuidade, o sorriso e a sensibilidade. Resistia ao agouros da vida humana como quem nada contra uma maré forte. Embora tivesse uma força grande em virtude de sua juventude avassaladora, a maré é mais forte e rasga-lhe a pele, o corpo todo, modificando a sua fala (a do corpo) e mostrando uma personalidade que se constrói.


Maria já não é tão doce como antes. Maria já não sorri como antes. Mas ri. Maria já não canta como antes. Mas canta. Maria já não dança como antes. Mas dança!


Maria amadurece. Revira-se de ponta a cabeça, ora buscando sentido ora somente sentindo. Vasculha os lugares mais inóspitos de sua psiquê. Observa os detalhes. Alarga os limites.Abre as frestas para que o mundo entre. Desamarra os nós que amarraram no passado e, não livre, se deixa amarrar em outros nós. Mas é persistente e segue desatando os nós que deixam a vida dela um pouco misteriosa.


Maria abre mais os olhos. Escuta mais com os ouvidos.Saboreia mais com a língua. Sente mais com o nariz e com a pele.

Maria se conhece cada vez mais e as pessoas lá fora cada vez menos a conhecem. Não porque ela não se mostre, mas porque elas não se permitem perceber. Estão em ritmos acelerados e superficiais e não conseguem captar a essência.

Maria não. Avança, em processo, captando a essência.


07 de março de 2011.

Ângela Pereira.


Ilustração: "Menina na Praia" de Emerson Fialho.

1 comentario:

  1. Crescer dói, dói porque a gente muda e teme não se encontrar mais em nós mesmas. Mudar é bom e ruim, no mesmo sentido, na mesma medida. Viver e recomeçar, reencontra-se, reinventar-se, na constante "dor e delícia" de ser o que é!

    ResponderEliminar